quarta-feira, 11 de abril de 2012

Violência e gangues de jovens de Arcoverde é matéria da Folha de Pernambuco

Matéria publicada hoje na Folha de Pernambuco, mostra o lado negativo do crescimento de Arcoverde, aonde a violência e as drogas cada vez mais afetam a sociedade. A reportagem foi de Lívia Mota.

      A crescente criminalidade em Arcoverde, no Sertão pernambucano, tem preocupado população e orgãos de segurança da região. Uma das causas é a antiga rixa entre os moradores de dois bairros da cidade: São Geraldo e São Cristovão. No entanto, essa disputa tem se agravado, proporcionalmente, ao crescimento da comercialização de drogas na cidade. De acordo com as informações do núcleo da Polícia Civil, o tráfico de drogas se tornou o principal problema do município. “Arcoverde está passando por uma fase muito difícil. O tráfico está tomando conta da cidade e, por mais que a polícia efetue prisões diariamente, no dia seguinte, outra leva de traficantes se inserem na sociedade”, explicou o delegado responsável pela Delegacia de Arcoverde, Carlos Veloso.

A rixa, mesmo que antiga, ganhou maiores proporções devido a disputa pelo domínio dos pontos de venda das drogas. Os dois bairros rivais travam verdadeiras guerras quando um invade a área de comercialização do outro. “Eles tomam, como pretexto, o encontro nas festas que acontecem na cidade para espancarem uns aos outros. O preocupante é a quantidade de menores envolvidos nessas brigas”, ressaltou Carlos Veloso. Os moradores de ambos os dois não escondem o medo em falar sobre o assunto. Também por medo de represálias a maioria dos moradores não se identificou e nem apareceram em fotos.

“A gente sabe o que acontece e não queremos nos expor. Por muito menos eles espancam e matam, não quero arriscar. Meu irmão está preso porque foi se vingar de um grupo lá do São Geraldo, que esfaqueou um amigo dele. Não sei se acho ruim ele estar preso, pelo menos está mais seguro do que se estivesse aqui fora”, desabafou a moradora, de 31 anos, do bairro São Cristovão e que não quis se identificar. A violência gratuita tem acumulado vítimas nos dois bairros. “Perdi um amigo e conheço muita gente que morreu ou foi agredida pelo pessoal do São Cristovão. Meu irmão, que é de menor, não vai jogar futebol pela escola nos jogos escolares porque sabe que o pessoal do São Cristovão vai estar na quadra onde acontece a competição. Todo mundo tem medo”, concluiu Deisivan Melo, de 18 anos, morador do bairro São Geraldo. Autoridades locais estão revendo medidas de conter o aumento do tráfico na cidade. Ano passado a polícia civil prendeu cerca de 70 pessoas por causa do envolvimento com o tráfico. Esse ano, só no primeiro trimestre, mais de 30 já foram presas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário